Loading...
Skip to main content

Al igual que muchos sitios web, los sitios web de BSA usan cookies para garantizar el funcionamiento eficiente de esos sitios web y brindar a nuestros usuarios la mejor experiencia posible. Puede obtener más información sobre cómo usamos las cookies y cómo puede cambiar la configuración de cookies de su navegador en nuestra declaración de cookies. Al continuar utilizando este sitio sin cambiar la configuración de las cookies, usted acepta el uso de cookies.

X

MAY 11, 2015 | BRAZIL

Metade de softwares usados no Brasil é ilegal e 31% estão contaminados com malware, diz novo estudo global da BSA

50% de softwares ilegais correspondem a 2,8 bilhões de dólares em licenças não pagas, no Brasil

São Paulo, maio de 2015 — Um novo relatório encomendado pela BSA | The Software Alliance, líder global na defensoria do setor de software contra violação de propriedade intelectual neste setor, confirma a associação entre o software sem licença e o malware em computadores corporativos e pessoais. A análise, realizada pela empresa global de pesquisa IDC – International Data Corporation, revelou que quanto maior o índice de software sem licença em um país, maior é a quantidade de malware em geral encontrado nos computadores do país. A conclusão para governos, empresas e usuários finais é clara: a eliminação do software sem licença em suas redes pode ajudar a reduzir o risco de incidentes de segurança digital.

"As infecções de malware podem causar um dano significativo, e as organizações estão se esforçando como podem para se proteger", declarou Jodie Kelley, Vice-Presidente Sênior e Conselheira Geral da BSA. "Esta análise mostra que a associação entre o uso do software sem licença e o malware é real, o que significa que uma boa gestão do manuseio de software é um primeiro passo fundamental para a redução de riscos de segurança digital."

A análise estatística comparou os índices de software sem licença instalado em computadores em 81 países¹ com uma medida de detecções de malware nos computadores rastreados por uma empresa membro da BSA, a Microsoft². Ela aponta que existe um forte correlação positiva (r = 0,79) entre os índices de software sem licença e os incidentes de malware. Uma análise mais detalhada indica que o índice de software sem licença em um país é um forte indicador do malware no país.

O relatório se baseia no estudo principal da BSA, que examina os índices mundiais de uso de software sem licença. Em 2014, o Levantamento Global de Software da BSA apontou que 50% dos softwares instalados no Brasil durante o ano anterior não tinham licença, em comparação com 43% em nível mundial, o que significa US$ 2,8 bilhões de licenças não pagas no país. O estudo revelou que existe no Brasil uma taxa de 31% de equipamentos contaminados com malwares. O índice brasileiro de uso de softwares sem licença, embora significativo, é o menor da América Latina. A Venezuela lidera esse ranking regional, com índice de 88%. Globalmente, o país só perde para a Moldávia e Georgia, ambas disputando o primeiro lugar do ranking, com 90% dos softwares instalados sem licença. Os Estados Unidos é o país com o menor índice, de 18%, com 13% de detecção de malwares.

O relatório também revelou que o motivo principal, apontado por usuários de todo o mundo, para não usar softwares sem licença é evitar a ameaça à segurança devido ao malware. Entre os riscos associados ao software sem licença, 64% dos usuários citaram globalmente o acesso não autorizado por hackers como uma das principais preocupações, e 59% citaram a perda de dados.

A BSA recomenda às organizações que implementem controles internos, como práticas de gestão de ativos de software em conformidade com a ISO 19770-1, a fim de reduzir a exposição às ameaças digitais garantindo que todo o software instalado em seus sistemas conte com as licenças apropriadas.

Ao comentar sobre os resultados do estudo, o diretor geral da BSA no Brasil, Frank Caramuru, afirmou que o gerenciamento de ativos de software é uma ferramenta efetiva para reduzir os riscos de ataques digitais, e é uma forma de instituir práticas de segurança em corporações. “Para se ter uma ideia, segundo outro levantamento da IDC, 56% das empresas que adotam processo de gestão dos ativos de software descobrem que tem mais ferramentas do que realmente precisam, desperdiçando dinheiro, tempo e aumentando as chances de haver contaminação das máquinas. Por outro lado, 38% tem licenças insuficientes”, diz Caramuru. Para ele, os ativos de software devem ser entendidos pelos gestores como algo estratégico, um fator que pode contribuir para aumentar a produtividade da empresa, se gerenciado corretamente.

[1] BSA Global Software Survey, junho de 2014

[2] Microsoft Security Intelligence Report, maio de 2014

ACERCA DE BSA

BSA | The Software Alliance (www.bsa.org) es el principal defensor de la industria global del software ante los gobiernos y en el mercado internacional. Sus miembros se encuentran entre las compañías más innovadoras del mundo, creando soluciones de software que impulsan la economía y mejoran la vida moderna.

Con sede central en Washington, DC y operaciones en más de 30 países, BSA es pionera en programas de cumplimiento normativo diseñados para fomentar el uso legal de software, y apoya políticas públicas que incentivan la innovación tecnológica e impulsan el crecimiento de la economía digital.

CONTACTOS DE MEDIOS

Anna Hughes

Telephone: 202-530-5177
Correo electrónico: annah@bsa.org

Riley McBride Smith

Telephone: 202-591-1125
Correo electrónico: Riley@allisonpr.com

For Media Inquiries

Correo electrónico: media@bsa.org

CONTACTOS DE MEDIOS

Anna Hughes

Telephone: 202-530-5177
Correo electrónico: annah@bsa.org

CONTACTOS DE MEDIOS

Christine Lynch

Correo electrónico: christinel@bsa.org

CONTACTO DE PRENSA

Anna Hughes

Telephone: 202-530-5177
Correo electrónico: annah@bsa.org